Coordenadores do Serviço de Referência em Doenças Raras (Rarus) do Hospital Maria Lucinda participam de programa na Rádio Folha

 

A neurologista e o , Vanessa Van Der Linden e Marcelo Soares Kerstenetzky, respectivamente, participaram,na tarde de hoje, do programa Rádio Livre, da Rádio Jornal. Além de destacar mais detalhes sobre o funcionamento do centro de referência localizado no bairro do Derby, área central do Recife, os médicos também falaram sobre diversos tipos de doenças raras. Para conferir as entrevistas, na íntegra, acesse os links abaixo. Susi Liberato @Júnior Ana Cristina Passavante Susi Liberato Pricila Almeida

https://bit.ly/2QU82ZS
https://bit.ly/2TUo33R

Missa de Natal reúne gestores, funcionários, pacientes e amigos do Hospital Maria Lucinda

Em clima de muita alegria e gratidão, o Hospital Maria Lucinda realizou, na manhã do dia 13 de dezembro, na capela da Casa da Providência, a tradicional Missa de Natal. Participaram da celebração o presidente da instituição, Arnaldo Almeida; o superintendente, Luiz Alberto de Araújo; a diretora Administrativa, Ana Cristina Freitas; a diretora Financeira, irmã Fabíola Alencar; a presidente da Sahima, Irene Almeida; além de muitos gestores das unidades administradas pela Fundação Manoel de Almeida, irmãs da Comunidade de São Vicente de Paulo, pacientes e amigos.

Destaque para um momento especial que emocionou a todos: um casal e um bebê (simbolizando José, Maria e o menino Jesus) entraram na capela na companhia de três homens (simbolizando os reis magos), formando um presépio humano. Os participantes da encenação são funcionários e o bebê que representava Jesus é o filho da funcionária que fez o papel de Maria.

Durante a homilia, o padre Marcelo Silva reforçou que o Natal é muito mais do que trocar presentes e festa. “Estamos aqui para agradecer ao Senhor pelas bênçãos e graças que ele derramou. Também devemos pedir perdão, pois ao longo da nossa caminhada, muitas vezes não conseguimos agir de acordo com a vontade de Deus. Vamos pedir perdão pelos momentos que não deixamos a luz do menino Jesus brilhar em nossas vidas. O ano de 2018 está terminando e, se você não realizou o que havia planejado, lembre-se de que são mais 365. Não se prenda ao passado, pense no futuro”, finalizou.

“Agradeço a todos que fazem parte dessa grande família e a Deus por nos dar força e saúde para continuarmos essa grande missão iniciada pelo meu bisavô. Todos vocês são muito especiais para nós. O meu desejo é que permaneçamos juntos, cuidando dessa obra que, em 2019, completará 90 anos de existência”, afirmou o presidente Arnaldo Almeida.

O superintendente, Luiz Alberto agradeceu as conquistas de 2018. “Este é um momento para celebrar o Natal e a vida de todos que fazem parte da grande família Maria Lucinda. É também uma oportunidade para agradecer por tudo que passamos durante o ano e este, especialmente, nós temos muito a agradecer, pois Deus foi generoso conosco. Realizamos novos empreendimentos, como o Centro de Doenças Raras (Rarus), cumprimos com as nossas metas programadas e atendemos todos os pacientes que estavam agendados. Que, em 2019, Deus no ajude a fazer ainda mais”, ressaltou.

“Temos muitas razões para agradecer ao Menino Jesus por nos ter ajudado a realizar com êxito a nobre missão de fazer o Hospital Maria Lucinda. Podemos dizer, com certeza, que a união de cada colaborador desta obra faz do nosso hospital uma gruta de Belém, pois aquela humilde gruta que acolheu o Menino Jesus é símbolo de esperança que brota do seio de uma família. E nós somos uma família que, durante este ano, conseguiu levar esperança para inúmeras famílias, através do nosso serviço prestado”, ressaltou a irmã Fabíola Alencar.

Por fim, a vice-presidente Givanete Almeida declamou a poesia ”Quando o príncipe visitou o presídio, de Myrtes Mathias.

XXI Encontro de Pacientes Especiais do Maria Lucinda reúne histórias de superação

Momentos de reflexão, esperança e acolhimento, num espaço repleto de histórias de superação. Assim são os Encontros de Pacientes Especiais do Hospital Maria Lucinda, que chega à 21ª edição, realizada no Colégio Virgem Poderosa, sábado, 24 de novembro. O encontro reuniu, na sua maioria, portadores de doenças congênitas, como extrofia de bexiga e mielomeningocele, entre outras.

A mesa de abertura foi composta pelo superintendente-Geral do hospital e coordenador do encontro, o médico urologista Luiz Alberto de Araújo; pela presidente da Sahima, Irene Almeida; pela irmã Fabíola Furtado, diretora Financeira; pela médica anestesista Givanete Almeida; pelos palestrantes,  o pediatra Marcelo Soares Kerstenetzky, coordenador técnico do Serviço de Referência em Doenças Raras (Rarus) e a ginecologista Marieta Galindo, do Hospital Regional de Palmares.

Fátima Santana, assistente social, fez a abertura agradecendo a presença de todos e conduziu uma bela homenagem para D. Irene Almeida, pelos seus 90 anos de vida. “Dona Irene é um exemplo de saúde, disposição, perseverança e trabalho. À frente da Sahima como presidente, desde 2012, comparece diariamente”, ressaltou Fátima.

Emocionada, D. Irene Almeida agradeceu e fez questão de transferir a homenagem aos médicos, irmãs de caridade, funcionários, profissionais de saúde que fazem parte da família Maria Lucinda, além dos pacientes e familiares. “Vocês, sim, merecem ser homenageados. Pelo trabalho de amor e dedicação; e aos pacientes, por acreditarem no nosso trabalho e participarem anualmente dos encontros. Me sinto gratificada por fazer parte dessas iniciativas”, disse.

Exemplo – “Tudo na vida tem uma origem. E a origem está no exemplo”, ressaltou o médico Luiz Alberto de Araújo, coordenador dos encontros. De acordo com ele, o exemplo é o maior ensinamento que existe dentro das pessoas. “O exemplo não se ensina, é demonstrado através das atitudes. Aqui mesmo no hospital destaco os exemplos deixados pelo médico Frederico Cavalheira, pelas irmãs Rocha, Almeida, e Antoné, entre outras”, finalizou.

Palestras – O ciclo de palestra começou com a tocoginecologista Marieta Galindo, que falou sobre o Aparelho reprodutor feminino X Má formação aparelho urinário; o urologista Luiz Alberto Araújo apresentou o tema Aparelho reprodutor masculino X Má formação aparelho urinário; e o pediatra Marcelo Soares Kerstenetzky falou sobre as Doenças Raras.

 

Lições de vida – histórias de superação

Portador de extrofia de bexiga desde que nasceu, o comerciante Edmilson Luiz da Silva, 37 anos, casado e pai de duas meninas, chegou ao Maria Lucinda com 24 horas de nascido e foi submetido a 23 cirurgias. Hoje, ele se diz um homem grato, feliz e realizado. Edmilson foi um dos pacientes que participaram do XXI Encontro de Pacientes Especiais e contou um pouco da sua trajetória ao longo desses anos. Acompanhe alguns depoimentos que são verdadeiras lições de vida:

 

Consegui superar todos os meus limites – “Meu nome é Edmilson, sou de Ouricuri e cheguei aqui, no Maria Lucinda, com apenas 24 horas de nascido. Fui acolhido nesta casa e hoje me encontro com 37 anos, realizado, casado e pai de duas filhas.  Nasci com extrofia de bexiga, já passei por 23 cirurgias e hoje agradeço a Dr. Luiz Alberto, Dr. Salvador Vilar e toda a equipe deste hospital que deram o suporte necessário para que eu tivesse uma melhor qualidade de vida, principalmente, na minha adolescência. Hoje, faço questão de prestigiar este evento com minha família, nunca faltei a uma edição. Posso afirmar que sou feliz, consegui superar todos os meus limites, meus medos, me sinto normal; um cidadão comum dentro da sociedade.” (Edmilson Luiz da Silva, 37 anos – comerciante).

Vivo muito bem, como qualquer outra pessoa – “Eu perdi meus dois rins com apenas seis anos de idade. A partir daí, passei a fazer hemodiálise, durante 10 anos até conseguir fazer um transplante renal. E, graças a Deus, não tive rejeição. Mas para isso, eu tive que fazer a ampliação da bexiga para poder receber o rim. Hoje, tenho minhas dificuldades, minhas limitações, mas vivo muito bem, como qualquer outra pessoa normal.” (Alice Medeiros de Souza, 28 – estudante de Nutrição).

Sempre corri atrás dos meus sonhos – “Minha história começou quando eu ainda era muito pequeno, e cheguei aqui vindo do Maranhão, já que meu estado não tinha muito recurso e os médicos não conheciam o que era Mielomeningocele. Fui atendido primeiramente no Hospital Barão de Lucena, onde conheci Dr. Salvador Vilar, que me encaminhou para o Hospital Maria Lucinda. Em 1994, fiz minha primeira cirurgia e de lá pra cá, só tenho evoluído. Tenho muito a agradecer ao Dr. Salvador Vilar e ao Dr. Luiz Alberto, que sempre foi um segundo pai para mim. Nunca deixei que a minha deficiência atrapalhasse meus planos. Sempre corri atrás dos meus sonhos. Procurei estudar, me formei em técnico em computação, ter minha casa, fazer amigos e ser feliz.” (Francisco Marinho de Andrade, 38 anos – técnico em computação).

Hoje me sinto feliz e realizada – “Eu nasci com bexiga exposta e neurogênica, além de extrofia de bexiga, que me fazia ter uma incontinência urinaria contínua.  Cheguei aqui com três meses de vida para fazer a minha primeira cirurgia. Hoje com 32 anos, já fiz10 cirurgias, não tenho mais vazamento por conta da reconstituição de bexiga.  Não sofro mais com esse problema, embora, tenha sofrido muito bullying e constrangimento, principalmente, na adolescência. Hoje vivo uma vida normal, consigo interagir com as pessoas e me sinto feliz e realizada.” (Sivoneide Correia da Silva, 32 anos – professora).

Serviço Social do Maria Lucinda promove o IV Workshop da Pessoa Idosa

Abordando a temática Violência contra a pessoa idosa: um novo olhar para um velho tema, o Serviço Social do Hospital Maria Lucinda promoveu, no dia 31 de outubro, no Centro de Estudos da unidade hospitalar, o IV Workshop da Pessoa Idosa.

O evento que já se tornou tradição, mais uma vez, foi bastante prestigiado.  Além de profissionais de saúde, o encontro também reuniu estudantes, amigos do Hospital e pessoas de diversas faixas etárias interessadas pela temática. Como acontece desde a primeira edição, todos os participantes doaram um pacote de fralda para ter acesso ao evento.

Durante a abertura do Workshop, a coordenadora do Serviço Social, Fátima Santana, agradeceu a presença de todos e destacou que o encontro, pela primeira vez, contava com a presenta de idosos. “Neste ano, resolvemos reunir não apenas pessoas que oferecem assistência aos idosos, mas também os próprios idosos para que eles pudessem saber um pouco mais sobre os seus direitos e ficamos muito felizes pela aceitação. Sejam todos muito bem-vindos”, afirmou.

Antes do início das discussões, o pastoril Viver a Vida, composto por idosas moradoras da comunidade Campina do Barreto, realizou uma apresentação que arrancou aplausos de todos os presentes.  Com adereços coloridos e sorriso no rosto, as idosas dançaram e interagiram com os participantes.

A geriatra Flávia Bezerra de Menezes Goldmann abriu a programação falando sobre Fatores que contribuem para o risco de demência. Durante a explanação do tema, a médica apontou o que seria a demência, os tipos, as fases, causas, os fatores de risco e a importância do apoio da família. “A demência, é uma condição em que ocorre perda da função cerebral, levando a problemas cognitivos, de memória e raciocínio. Ela afeta a linguagem, o comportamento e pode alterar a própria personalidade do indivíduo, é por isso que muitos idosos ficam agressivos, pois não sabem, por exemplo, dizer que estão com dor em determinado local do corpo e acabam expressando esse incômodo com atitudes agressivas, por isso a família ou o cuidador precisa ficar atento a mudanças no comportamento desse idosos”, ressaltou a geriatra, destacando que a Organização Mundial de Saúde estima que em todo o mundo existam 47.5 milhões de pessoas com demência, número que pode atingir os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050 para os 135.5 milhões.

Segundo ela, a demência se divide em dois grupos: irreversíveis e reversíveis. “O primeiro tipo piora com o passar do tempo, é o caso da doença de Alzheimer. Já as demências reversíveis, como o próprio nome já diz, podem ter seus sintomas revertidos, é o caso da demência que surge pela deficiência de vitamina B12, por exemplo.

Ainda de acordo a geriatra, muitos fatores podem levar à demência, entre eles, a idade, histórico familiar de demências e síndrome de Down.

A programação também contou com as palestras Justiça: garantindo a prioridade absoluta da pessoa idade, ministrada pelo advogado Bruno de Menezes; Velhice como um problema social: Novas dificuldade encontradas pelo profissional de serviço social para garantir o direto da pessoa idosa na saúde, proferida pela assistente social do Centro de Atenção Psicossocial (CAPs) Acolher de Moreno Maria de Fátima de Oliveira Falcão; Suicídio da Pessoa Idosa, apresentada pela psicóloga Eliane Ferreira, além de uma contação de história coordenada por Tania Cavalcanti. O evento foi encerrado com uma apresentação do Grupo de Idosas Constelar.

Hospital Maria Lucinda promove Curso Telemarketing Filantrópico em parceria com o grupo + Filantropia

Representantes, coordenadores e supervisores de Telemarketing que atuam em instituições filantrópicas em Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, nas áreas de educação, saúde e social participaram, entre os dias 29 e 30 de outubro, na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), do curso Telemarketing Filantrópico, promovido pelo Hospital Maria Lucinda em parceria com o grupo + Filantropia.

A abertura foi realizada pela psicóloga clínica referência em comportamento humano Andrea Christiane Batista, que realizou uma dinâmica de grupo antes de proferir as palestras: A importância da motivação para o desenvolvimento e sucesso das Instituições; e O uso de dinâmicas motivacionais na captação de recursos.

 Dentro da programação do primeiro dia a participação da diretora Financeira do Hospital Maria Lucinda, uma das organizadoras do evento, Irmã Fabíola de Alencar Furtado, que proferiu a palestra: Telemarketing Filantrópico, abordando toda a dinâmica de realização conservação de Captação de serviço com esta ferramenta, que tem se tornado cada vez mais utilizada e indispensável na manutenção da Instituições filantrópicas. “O objetivo principal desses encontros, é compartilhar experiencias como ferramentas para que todos os profissionais que trabalham com o telemarketing filantrópico sejam multiplicadores e possam captar mais recursos para a manutenção de suas atividades”, enfatizou Irmã Fabíola, que tem mais de 15 anos de experiência em captação de recursos em Telemarketing.

A diretora Administrativa do Maria Lucinda, Ana Cristina Freitas, também prestigiou o evento, intervindo sobre o tema e esclarecendo dúvidas.

Já no segundo dia, os participantes assistiram à palestra Benefícios de uma consultoria eficiente para o terceiro setor ministrada pelo educador social e produtor cultural Danilo Carias. “Esse encontro foi importante porque primeiro conseguimos nos reunir com as pessoas que de fato fazem a instituição acontecer; que estão dispostas a fazer a organização crescer e segundo porque precisamos realmente começar a instituir a mudança, principalmente, mudando as nossas crenças da forma que fazemos”, declarou.

Curso gratuito capacita profissionais de Telemarketing que atuam em instituições filantrópicas

O curso será realizado na Unicap, no dia 29 e 30 de outubro

Para debater a importância do setor de Telemarketing dentro de uma instituição filantrópica, as formas de atrair mais doadores e melhorar os resultados do setor, o Hospital Maria Lucinda em parceria com o grupo + Filantropia promove, nos dias 29 e 30 de outubro, na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), o curso Telemarketing Filantrópico.

De acordo com uma das organizadoras do evento, que também é diretora Financeira do Hospital Maria Lucinda e gestora de Gestão de Recursos e Pessoas com experiência em captação de recursos em Telemarketing há mais de 15 anos, a Irmã Fabíola de Alencar Furtado, o objetivo do encontro é capacitar os profissionais dessas instituições para que eles consigam divulgar e captar mais recursos para a manutenção de suas atividades.

O evento é gratuito e destinado a coordenadores e supervisores de Telemarketing que atuam em instituições filantrópicas nas áreas de educação, saúde e social.  A quantidade de vagas é limitada e as inscrições podem ser feitas através do email irfabiolafc@gmail.com . A programação completa está disponível em:

Serviço:

Telemarketing Filantrópico

Dias 29 e 30

Na Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP (Bloco G 4 – Sala 506)

Inscrições: irfabiolafc@gmail.com

Colaboradoras do Maria Lucinda alertam para a importância do Outubro Rosa

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o câncer de mama é o segundo tipo de tumor mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, ficando atrás apenas do de pele não melanoma. De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA) apenas no Brasil estão previstos 59.700 novos casos apenas para o ano de 2018.  Diante desta triste realidade, foi criado o Outubro Rosa, para que um número maior de mulheres desperte e se cuide.

À frente das ações a coordenadora do setor de Hotelaria e Eventos, Marina Silva, que já superou um câncer de mama, convidou as colegas e pacientes para que tenham consciência de que quanto mais cedo o diagnóstico, maior é a chance de cura. “Precisamos alertar a todos, começando com os mais próximos, como nossos funcionários e usuários para que eles possam sair disseminando entre familiares e amigas que “Câncer de Mama”, se detectado no início, há 90% de chances    de cura, e que nenhuma mulher está imune. Portanto, vamos nos cuidar. Primeiro passo, prestar atenção a alguma alteração no nosso corpo. Eu mesma descobri a doença quando dei uma atenção especial ao meu e, graças a Deus, apoio de familiares e amigos, venci a doença”, afirmou.

Cartazes explicativos com dicas de como fazer corretamente o autoexame da mama foram afixados nos quadros de aviso e nos principais setores do Hospital Maria Lucinda. Os corredores ainda ganharam corações coloridos em diversos tons de rosa com frases de efeito, a exemplo de: “Se cuide! Fale com o seu médico; Outubro rosa, uma campanha a favor da mulher; Quem procura, acha, e quem acha, cura; Nós apoiamos essa causa. Previna-se!  Um painel também foi montado em umas das recepções para que o público pudesse fazer fotos. No dia 4 de outubro, foi feita uma foto oficial com gestores e profissionais da unidade vestidos com tons de rosa, a cor da campanha. “ Agradeço a todos os funcionários que me ajudaram na confecção das peças em especial à Diretoria  e as irmãs de caridade do hospital concluiu”, Marina.

Prevenção – Observar o corpo e fazer o acompanhamento ginecológico de rotina são essenciais para descobrir a doença. A mamografia, por exemplo, deve ser feita a partir dos 40 anos, mas se houve algum histórico de câncer na família, fale com seu médico, para que seja orientada qual a idade certa que se deve fazer.

Jornal do Comendador – Abril a Junho de 2018

Fique por dentro de todas as novidades do nosso hospital através do Jornal “O Comendador“. Nesta edição, você poderá conferir as matérias sobre o aniversário de 89 anos do Hospital Maria Lucinda, atividades da Semana de Enfermagem e Serviço Social e muito mais.

Voluntários do Maria Lucinda  comemoram o Dia Nacional do Voluntariado

“dedicação+amor =voluntariado”

Em clima de grande festa,  uma equipe de voluntários do Hospital Lucinda  com camisetas  e  placas , participou hoje (28/08), do Dia Nacional do Voluntariado, promovido pelo Transforma Recife, uma plataforma de incentivo ao voluntariado que faz a ligação entre ONGs  na capital pernambucana. A ação foi realizada em diversos pontos da Av. Agamenon Magalhães com maior concentração no Voluntariômetro, que fica próximo à ponte de Joana Bezerra.

Bernadete Lima, voluntária do Maria Lucinda, há três anos, expressa a sua alegria ao ver tantas pessoas reunidas que compartilham do mesmo sentimento: amor ao próximo. “Estou muito feliz. Amo ser voluntária é muito bom  ver que existem muitas pessoas que querem ajudar  ao próximo. Ser voluntário é realmente maravilhoso. Posso afirmar com toda certeza que é melhor dar do que receber”, pontuou.

“A cidade que sonhamos é construída com a participação de todos. O Transforma Recife potencializa esse sentimento com a união de ONGs, Voluntários e do poder público. De forma inovadora, o sonho se torna realidade na cidade ”, afirmou,  Geraldo Júlio, Prefeito do Recife.


Atividade voluntária no Maria Lucinda
– Para se tornar voluntário do Hospital Maria Lucinda é necessário ter mais de 18 anos e disponibilizar, semanalmente, no mínimo, quatro horas. Mais informações podem ser obtidas com a secretária da Sahima, Renata Costa, através do 81 3267-3756.

 

Projeto do Hospital Maria Lucinda em prol das pessoas que cumprem penas alternativas recebe apoio do TJPE

Flickr do TJPE

O Hospital Maria Lucinda foi uma das seis instituições pernambucanas contempladas com uma verba oferecida pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) para o financiamento de projetos sociais desenvolvidos em prol das pessoas que cumprem penas alternativas. O alvará para o recebimento do benefício no valor de R$ 22 mil, foi entregue a coordenadora do Serviço Social do Hospital, Fátima Santana, durante cerimônia realizada no dia 17 de julho, no Palácio da Justiça. A solenidade também contou com as presenças das irmãs de caridade Poliana Cabral e Ana Maria.

A cerimônia foi presidida pelo desembargador Adalberto de Oliveira Melo, atual presidente do TJPE e contou com as presenças do diretor-Geral da Escola Judicial de Pernambuco, o desembargador Jones Figueirêdo Alves; o assessor da Presidência, juiz João Targino; o titular e a substituta da Vepa, juiz Flávio Fontes e juíza Marylúsia Feitosa; respectivamente; além do presidente interino da Assembleia Legislativa de Pernambuco, o deputado Pastor Cleiton Collins.
De acordo com Fátima Santana, o projeto intitulado Inserir para Transformar foi criado em outubro de 2017, pelos profissionais do Serviço Social com o objetivo de oferecer às pessoas que chegarem ao Hospital para o cumprimento de penas alternativas. “É uma oportunidade de ressocialização diferenciada. Sempre recebemos pessoas para o cumprimento dessas penas e o desejo do Serviço Social era criar um projeto destinado a esse público. Não queríamos que essas pessoas executassem apenas determinadas tarefas, e sim que se tornassem pessoas melhores em todos os sentidos. Foi então que criamos esse trabalho que oferece oficinas de reciclagem, promove palestras educativas e outras atividades”, destacou.
Na ocasião, o presidente Adalberto de Oliveira agradeceu a confiança e parabenizou cada instituição pelos trabalhos sociais desenvolvidos. “Iniciativas como essa demonstram o compromisso de todos em busca de ressocialização, melhor qualidade de vida e redução da violência em nosso Estado. Torcemos e estamos trabalhando por mais parcerias nesse sentido”, afirmou.
O magistrado também destacou o processo para a escolha das instituições, conduzido pelo juiz Flávio Fontes e por integrantes da Vepa. “Entre os critérios, foi levado em consideração, o reconhecido trabalho na temática de inclusão de prestadores de serviços à comunidade. Foram priorizadas as instituições que atuam diretamente na execução penal, na assistência à ressocialização de pessoas em cumprimento de penas, na assistência às vítimas de crimes e à prevenção da criminalidade”, lembrou o presidente do TJPE.
Projeto – Além da Fátima Santa, também participaram da criação do projeto a psicóloga Andrea Christiane; a pedagoga Lígia Rebelo; e a assistente social Valdenize Andrade.

Página 1 de 612345...Última »