Hepatologista do Rarus fala sobre a ampliação de seis para 50 doenças detectadas pelo teste do pezinho

O teste do pezinho, exame de extrema importância realizado nos recém-nascidos e disponibilizado gratuitamente pelo SUS, passou por mudanças recentemente quando foi sancionado o Projeto de Lei (PL) 5.043/2020, que aumenta de seis para 50 a lista de doenças rastreadas pelo procedimento, que é feito a partir da coleta de gotas de sangue dos pés dos bebês.

Segundo Marcelo Soares Kerstenetzky, hepatologista pediátrico e coordenador do Centro de Referência em Doenças Raras de Pernambuco – Rarus, administrado pelo Hospital Maria Lucinda, a ampliação do teste do pezinho passará a alcançar 14 grupos de doenças e deverá entrar em vigor a partir de junho de 2022, de forma escalonada e regulamentada pelo Ministério da Saúde. “Esse teste é de extrema importância porque detecta algumas  doenças  comuns e raras antes mesmo de os sintomas aparecerem, como hipotireoidismo congênito, fibrose cística (também conhecida como mucoviscidose), fenilcetonúria, anemia falciforme, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase. Já o teste realizado na rede privada consegue identificar até 53 doenças”, destacou o especialista.

Conforme o hepatologista, estima-se que 13 milhões de pessoas no nosso país tenham alguma doença rara. Desse quantitativo, 75% são crianças. Muitos desses pacientes morrem antes dos cinco anos de idade por terem sido diagnosticados tardiamente. Esse tema chamou a atenção da mídia, o especialista concedeu entrevista à TV Clube sobre o tema Confira e entrevista completa no link (https://www.instagram.com/tv/CQGfyrctyPO/?utm_medium=copy_link).  “Acreditamos que, com a versão ampliada do teste, será possível detectar mais doenças raras e mudar esse cenário. Por isso, as mães precisam ter a consciência de que esse teste pode mudar não apenas a história de vida da criança, mas da família como um todo, porque uma doença grave envolve muitas situações; é fundamental reforçarmos, cada vez mais, a importância da realização do exame”, finaliza Marcelo Soares Kerstenetzky.

 

 

Profissionais do Hospital do Maria Lucinda ganham surpresa no Dia do Faturista

O dia 10 de junho é dedicado ao faturista, profissional que atua no setor contábil e tem a responsabilidade de cuidar da receita, uma das funções de máxima confiança para a saúde financeira da instituição. Para homenagear esses profissionais do Hospital Maria Lucinda, a diretoria da instituição e a coordenação do setor de Faturamento realizaram uma comemoração surpresa na última sexta, 11 de junho, no próprio setor.

A ação contou com corte de bolo e o tradicional parabéns para todos os nove faturistas e dois menores aprendizes que compõem a equipe. A surpresa foi prestigiada por alguns gestores da unidade, como o superintendente, Luiz Alberto Araújo; a diretora Administrativa, Ana Cristina Passavante; e a diretora Financeira, Irmã Fabíola de Alencar.

“Temos um sentimento de gratidão pela confiança que a diretoria do Maria Lucinda  deposita em nosso setor. Essa confiança nos permite sempre buscar os melhores resultados. Agradeço à equipe pelo esforço, pela dedicação e pelo desempenho nas atividades sempre com tanta alegria e prazer. Sabemos que juntos conseguimos os melhores resultados, quando temos um propósito em comum e envolvimento de toda a equipe, e  compreendemos o valor de cada um dentro do processo”, comemora a coordenadora do Faturamento, Roberta Correia.

Missa em Ação de Graças celebra os 92 anos do Hospital Maria Lucinda

Em clima de muita gratidão e respeitando os protocolos de segurança da COVID-19, gestores e colaboradores do Hospital da Família Maria Lucinda participaram, nesta quarta-feira, dia 9 de junho, da Missa em Ação de Graças em comemoração aos 92 anos de fundação do Hospital. A celebração, presidida pelo padre Marcelo Silva, foi realizada na própria capela da instituição e transmitida pelo Meet. Entre os presentes estavam o presidente, Arnaldo Almeida; a vice-presidente, Givanete Almeida; o superintendente, Luiz Alberto Araújo; a diretora administrativa, Ana Cristina Passavante; a diretora financeira, Irmã Fabíola de Alencar; e virtualmente  muitos  gestores, colaboradores, voluntários e amigos da instituição.

A Irmã Valdirene Maria da Silva, assistente social da UTI Neo e da Nutrição, abriu a celebração religiosa reforçando o cuidado e o amor de Deus para com a instituição. “O Hospital da Família Maria Lucinda, hoje, louva e engrandece ao Senhor pelos grandes feitos realizados ao longo desses anos, salvando vidas. Esse é o motivo pelo qual nos encontramos aqui, nesta Celebração Eucarística, em Ação de Graças por essa obra que, desde toda a eternidade, foi pensada por Deus. Temos orgulho em reforçar que aqui exercemos nossas atividades com Ética, Seriedade, Competência, Respeito, Qualidade e Humanização. Somos Hospital Maria Lucinda! Somos o Hospital da Família!”, afirmou a irmã.

Durante a homilia, o padre Marcelo Silva falou do empenho do Hospital em salvar vidas e parabenizou a todos os colaboradores que fazem o dia a dia da unidade. “A diretoria e todos os colaboradores que aqui trabalham estão de parabéns! O Hospital Maria Lucinda é composto por profissionais que têm compaixão pelos pacientes e isso faz toda a diferença. Aqui, todos são bem cuidados com muito amor, sempre da melhor maneira possível”, disse o celebrante.

O capelão também reforçou a importância de dar continuidade à obra idealizada pelo fundador do Maria Lucinda, Comendador Manoel da Silva Almeida, e do quanto Deus se alegra ao rendermos graças a Ele em público, para que todos vejam as suas obras, fazendo referência ao Salmos 34. “O Hospital Maria Lucinda é uma obra do Senhor que, graças a Deus, permanece salvando vidas há 92 anos. A semente que o Comendador plantou, em 1929, é o fruto que colhemos hoje. Que essa obra continue salvando mais e mais vidas”, finalizou o padre Marcelo.

 

Em seu discurso, o presidente do Hospital, Arnaldo Almeida, falou do privilégio em estar à frente da instituição e agradeceu o empenho de todos os profissionais da unidade. “Hoje é um dia de comemoração. Estamos salvando vidas há 92 anos, por isso só tenho a agradecer a Deus e à família Maria Lucinda por todo o esforço e dedicação. Se chegamos até aqui é porque Deus nos ajudou e vocês também têm nos ajudado. Parabéns para todos nós!”, afirmou o presidente.

 

O superintendente do Hospital Maria Lucinda, Luiz Alberto Araújo, bastante emocionado, fez questão de ressaltar que tinha infinitos motivos para agradecer. “Hoje é um dia muito especial, pois também marca o meu retorno ao Maria Lucinda, após meu afastamento pela Covid 19, que graças a Deus se manifestou em mim de forma leve. Sobre o Maria Lucinda, eu só tenho que agradecer a Deus por fazer parte desta instituição, pois a ‘semente’ plantada pelo comendador Manoel da Silva Almeida cresceu, prosperou e tem dado muitos frutos. Que continuemos nesse mesmo entusiasmo, fazendo o nosso trabalho com dedicação, amor ao próximo, humanismo e ética”, declarou o superintendente.

“Nós sempre temos motivo para agradecer a Deus e, no dia do aniversário do Maria Lucinda, não podia ser diferente. Graças a Deus, esta unidade de saúde completa 92 anos. Isso demonstra o amor e o cuidado de Deus para conosco, pois passamos por muitas dificuldades e, sem a Sua ajuda, não seria possível chegarmos até aqui. Os colaboradores também merecem nossos agradecimentos, pois temos acompanhado o esforço de todos ao longo de todos esses anos. Que Deus continue abençoando todos vocês”, ressaltou a diretora administrativa, Ana Cristina.

Além dos agradecimentos, a diretora financeira, Irmã Fabíola de Alencar, também relembrou a história de São Vicente de Paulo, fazendo analogia ao trabalho idealizado pelo fundador da instituição. “No século XVII, no sul da França, um homem simples, inspirado por Deus, em tempos difíceis, não diferente do que estamos vivendo hoje, ousou fazer a diferença. Esse homem é São Vicente de Paulo. Em 1929, outro grande homem, igualmente inspirado por Deus, iniciou uma grande obra em favor das crianças e pobres carentes de sua época. Esse homem é o Comendador Manoel da Silva Almeida. O que eles têm em comum: a audácia de viver os desafios da caridade! Os desafios continuam imensos! Por isso, precisamos ficar atentos aos conselhos daqueles que nos precederam nesta caminhada”, pontuou.

A vice-presidente, Givanete Almeida, também aproveitou a ocasião para fazer muitos agradecimentos, em especial a Deus. Ela também declamou a poesia “Gratidão”, de Myrtes Mathias. A cerimônia foi encerrada com o tradicional “Parabéns”.

 Almoço – Após a missa, foi oferecido um almoço especial, com direito a bolo de aniversário, no próprio refeitório, seguindo todos os protocolos de segurança.

 

Santa Luísa de Marillac, a padroeira dos assistentes sociais

O mês de maio possui duas datas significativas para a assistência social: no dia 15, o Dia dos Assistentes Sociais; e no dia 9, foi comemorado o Dia de Santa Luísa de Marillac, fundadora das Irmãs de Caridade e padroeira desses profissionais. As duas datas coincidem, pois a obra deixada por Santa Luísa de Marillac é seguida até os dias de hoje pelas irmãs que atuam no Hospital da Família Maria Lucinda e pelos assistentes sociais da instituição.

Santa Luísa de Marillac nasceu no dia 15 de agosto de 1591, em Paris, e cresceu sob uma educação católica. Um de seus orientadores espirituais na infância e adolescência foi São Vicente de Paulo, com quem fundou a Fundação Filhas de Caridade, a qual acolhia feridos de guerra, doentes nos hospitais, pobres nos asilos e crianças nos orfanatos, seguindo em atividade até os dias de hoje.

“Já se passaram mais de 400 anos e o amor que aquecia o coração de Luísa de Marillac para servir a Jesus Cristo, na pessoa dos pobres doentes, continua animando a vida e a missão de cada Filha da Caridade”, afirma a Ir. Valdirene Maria da Silva, assistente social da UTI Neo e da Nutrição do Hospital Maria Lucinda.

Santa Luísa de Marillac morreu aos 68 anos, em 15 de março de 1660, em Paris. Foi beatificada em 9 de maio de 1920 e canonizada em 11 de março de 1934 pelo Papa Pio XI. Em 1960, o Papa João XXIII a nomeou padroeira dos assistentes sociais. O dia 9 de maio foi escolhido para sua celebração no ano de 2016, por ser o aniversário de sua beatificação.

Em seu leito de morte, deixou como testamento espiritual às Irmãs:

“Minhas queridas Irmãs, continuo pedindo a Deus por vós e rogo conceder-vos a graça de perseverar em vossa vocação para que possais servi-Lo no modo como Ele vos pede.

Tende grande cuidado do serviço dos pobres e, sobretudo, vivei juntas numa grande união e cordialidade, amando-vos umas às outras, para imitar a união e a vida de Nosso Senhor. Pedi muito à Santíssima Virgem que seja vossa única Mãe.”

Santa Luísa de Marillac e a assistência social

A função do assistente social é orientar pessoas em situação de desamparo, promovendo seu bem-estar físico, psicológico e social, sendo um reforço para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, como Santa Luísa de Marillac pregou durante toda a sua vida e realizou em suas obras.

Em ambiente hospitalar, o assistente social usa seu olhar crítico social para oferecer suporte aos pacientes e seus acompanhantes até a alta médica, com apoio psicológico, orientações, mobilizações de recursos, entre outras possibilidades. No Brasil, existem aproximadamente 190 mil profissionais registrados nos 27 Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS).

A Fundação Filhas de Caridade de São Vicente de Paulo, cofundada por Santa Luísa de Marillac, é uma congregação religiosa voltada para o serviço aos mais necessitados. O Hospital da Família Maria Lucinda conta com o trabalho das Irmãs de Caridade em diversos setores administrativos e assistenciais. Neste mês de maio a instituição homenageia aos profissionais de assistência social e também as Irmãs de Caridade, seguidoras dos ensinamentos de Santa Luísa de Marillac:

Ir. Fabíola Furtado de Alencar, Diretora Financeira;

Ir. Poliana Cabral, enfermeira das UTIs;

Ir. Carmem Lúcia Moreira, enfermeira do Centro Cirúrgico;

Ir. Maria de Jesus, enfermeira da Casa de Saúde São José;

Ir. Marilza Castor, enfermeira da Hemodiálise;

Ir. Ana Maria das Nerves, enfermeira do Ambulatório;

Ir. Valdirene Maria da Silva, assistente social da UTI Neo e da Nutrição.

Agradecimento

Entre os dias 10 e 14 de maio, as Irmãs de Caridade Vicentinas do Hospital Maria Lucinda realizaram a primeira Semana de Oração pelo Doador, um momento de graça em favor daqueles que contribuem sistematicamente para a manutenção dos serviços que a instituição oferece aos inúmeros pacientes que buscam atendimento. As celebrações diárias aconteceram na capela do hospital e foram transmitidas ao vivo pelas redes sociais do hospital. Nesta primeira semana, participaram colaboradores dos setores SAHIMA, Telemarketing, Serviço Social e Enfermagem.

No último dia da celebração, o Superintendente do Hospital Maria Lucinda, Luiz Alberto Araújo, fez um agradecimento especial. “Às pessoas amigas do Maria Lucinda, a instituição vem agradecer àqueles que, de uma forma direta ou indireta, têm colaborado com nossas obras. Com a solidariedade de todos, podemos manter esta instituição e seus propósitos. Não percam a esperança, porque é ela que alimenta toda a nossa força e nos mantém firmes”, ressaltou. Para encerrar a semana, foi celebrada uma missa na capela em ação de graças pelos doadores do hospital.

Hospital Maria Lucinda promove Semana da Enfermagem com o tema Cuidado e fé: duas necessidades atuais

Para celebrar o Dia Internacional da Enfermagem, o Hospital Maria Lucinda promoveu a II Semana de Enfermagem, com um ciclo de atividades voltadas para esses colaboradores. Entre os dias 12 e 21 de maio, os participantes foram homenageados, assistiram a palestras e receberam brindes do hospital e de empresas parceiras.

Sobre o tema “Cuidado e fé: duas necessidades atuais”, o cronograma de palestras contou com nove encontros diários, realizados de forma virtual e ministrados por especialistas em enfermagem. Entre os temas abordados, estavam a segurança do paciente, a importância da comissão de ética em enfermagem, alguns assuntos técnicos e questões sobre fé.

“Estamos vivendo uma situação complexa e nunca foi tão importante a presença da enfermagem como agora. Tanto na questão física, do cuidar diretamente dos pacientes e da execução dos cuidados, quanto na perspectiva da fé que vamos vencer a pandemia e que o paciente vai ficar bem”, explicou a coordenadora de Enfermagem do Maria Lucinda, Jackeline Diniz.

Todos os enfermeiros e técnicos de enfermagem do Hospital Maria Lucinda receberam uma caneca comemorativa como um gesto de agradecimento. Alguns profissionais, que foram destaque nos seus setores, tiveram a foto exposta nos quadros de avisos.

Empresas solidárias ofereceram brindes, como Loja Cotidiana, de cosméticos; Loja Antônia, de roupas; A Lojinha Estúdio, de plantas domésticas; Loja Sentir Afeto, de cosméticos; Maia Work, de trajes cirúrgicos profissionais; e a Faculdade Unyleya, que ofereceu descontos nos cursos de pós-graduação para os profissionais do hospital.

“A Semana de Enfermagem foi voltada para comemorar e agradecer o trabalho realizado durante todo o ano. A equipe do Maria Lucinda tem diferenciais, pois é comprometida e humanizada. Mesmo em dias mais difíceis, temos que agradecer a cada um por sua dedicação”, ressaltou Jackeline Diniz.

Profissionais do Hospital Maria Lucinda são finalistas no prêmio idealizado pelo Coren-PE

Em reconhecimento ao esforço, dedicação e o trabalho contínuo para salvar vidas, a enfermeira Irmã Carmem Lucia Queiroga e o técnico de enfermagem Leandro Barbosa da Silva, do Hospital Maria Lucinda, ficaram entre os 10 finalistas do Prêmio Ivanete Alves do Nascimento, criado pelo Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (Coren-PE). A premiação tem como finalidade, reconhecer e homenagear profissionais da área de Enfermagem que se destacaram no exercício da profissão, nos aspectos técnico, científico, legal e ético.

Hospital Maria Lucinda reinaugura os setores de Compras e Almoxarifado

O Hospital da Família Maria Lucinda está sempre buscando oferecer espaços modernos e aconchegantes tanto para os usuários quanto para os colaboradores com projetos de expansão e melhorias. No dia 21 de maio, respeitando todos os protocolos de segurança, a instituição reinaugurou os espaços destinados aos serviços de Compras e Almoxarifado.

Estiveram presentes à reinauguração alguns colaboradores e gestores: o presidente, Arnaldo Almeida; a vice-presidente, Givanete Almeida; o superintendente, Luiz Alberto Araújo, a diretora Administrativa, Ana Cristina Passavante; a diretora Financeira, Irmã Fabíola de Alencar; a gerente de Compras, Maria Lúcia; e a supervisora de Almoxarifado, Roberta Gomes.

“As reformas no Hospital Maria Lucinda fazem parte do projeto de expansão de crescimento e melhorias nos serviços, a fim de proporcionar ambientes acolhedores para o trabalho, bem como melhorar cada vez mais nossa qualidade de atendimento no serviço. E é com muita alegria que entregamos mais um espaço totalmente planejado, confortável e apropriado para atender as demandas necessárias do serviço, tornando assim um trabalho mais proativo, com melhor acondicionamento de materiais no setor do Almoxarifado. As reformas foram custeadas com recursos próprios”, afirmou o superintendente, Luiz Alberto Araújo.

Em seu discurso, a Irmã Fabíola Alencar também reforçou o plano de expansão e ressaltou os setores que serão repaginados futuramente. “Dentro do plano de expansão, temos ainda a reforma e ampliação do Centro Cirúrgico; a requalificação da calçada externa do hospital, fruto de parceria com o município, através da Secretaria de Obras; a requalificação de espaços de livre circulação interna, com instalação de cerâmicas; a continuação da reforma da Casa de Saúde, graças à doação de generoso doador; a construção de alojamento comum para profissionais motoristas e porteiros, entre outros. São muitos projetos! Para todos, contamos com a generosidade de nossos benfeitores e o trabalho incansável da gestão!”, declarou a diretora Financeira.

Antes do corte do bolo, o padre Marcelo Silva, capelão do Hospital Maria Lucinda, fez um breve discurso e abençoou as novas instalações.

 

 

Infectologista do Maria Lucinda alerta para o intervalo correto entre as vacinas contra a gripe e a Covid-19

A vacinação contra a Covid-19 teve início em Pernambuco no dia 18 de janeiro. Desde então, cada município vem seguindo um calendário próprio de imunização, de acordo com a faixa etária da sua população e os grupos de riscos. No entanto, uma nova campanha entrou em vigor no estado no último dia 12 de abril, a da vacina da gripe, que protege contra três tipos de vírus: Influenza A (H1N1), Influenza B e Influenza A (H3N2), mas não contra o coronavírus. No caso dos idosos, essa vacina começará no dia 11 de maio.

Diante da necessidade de parte da população tomar os dois imunizantes, podem surgir dúvidas quanto ao cronograma correto de vacinação, para que uma dose não prejudique a eficácia da outra, sobretudo porque ainda existem dois tipos diferentes da vacina da Covid (Coronavac e AstraZeneca). Para tirar essas dúvidas, o médico Luciano Arraes, infectologista do Maria Lucinda, explica como as pessoas devem proceder.

“O recomendado é que se priorize a vacina do coronavírus em detrimento da gripe, pois ainda temos um grande número de casos de Covid-19. Mesmo que o paciente esteja na época oficial da vacina da gripe, que seja priorizada a primeira ou segunda dose da Coronavac”, recomenda o infectologista, tomando como base as preconizações do Ministério da Saúde.

O médico ainda esclarece que é necessário esperar, no mínimo, duas semanas após ter recebido o imunizante da Covid para tomar a vacina da gripe. “Pessoas com maior chance de complicação com gripe, como obesos, diabéticos, pacientes cardiopatas ou doenças pulmonares crônicas, que quando pegam gripe ficam mais debilitadas e com risco maior de óbito, devem tomar a vacina da gripe 14 dias após a proteção contra a Covid. Pacientes que estejam fora desse grupo de risco podem aguardar quatro semanas para serem imunizados contra a influenza”, explicou.

Em relação à vacina AstraZeneca, que possui um prazo de três meses entre uma dose e outra, Luciano Arraes diz que o paciente pode tomar a vacina da gripe nesse período intermediário. “O usuário pode tomar a primeira dose da Astrazeneca e, quatro semanas depois, pode fazer a vacina da gripe, para depois tomar a segunda dose. Se a pessoa estiver próxima da aplicação da segunda dose, a prioridade é a da Covid e aguardar para receber a vacina da influenza quatro semanas depois”, garante o infectologista Luciano Arraes.

O especialista ainda reforça que pessoas com qualquer sintoma gripal ou de resfriado, como febre, tosse ou dor de cabeça, não devem ser vacinadas. “Isso pode se confundir com possíveis reações adversas das vacinas, especialmente a da Coronavac, criando uma falsa impressão de que esses efeitos são oriundos do imunizante. Esses pacientes devem ser avaliados por um médico e fazer o exame de Covid para evitar uma maior disseminação da doença no município e no estado”, finalizou o infectologista do Hospital Maria Lucinda.

Maria Lucinda inicia campanha de Troca Solidária de Máscaras

O Hospital Maria Lucinda inicia nesta sexta-feira (23) uma campanha solidária em parceria com o projeto Transforma Recife que vai contribuir ainda mais com a prevenção à Covid-19. Os interessados podem doar alimentos para o Marilu e receber em troca um kit com máscaras de tecido para proteção facial.

Para participar, é preciso doar três quilos de alimento não perecível ou quatro litros de leite. Em troca, o doador receberá um kit com três máscaras de tecido confeccionadas pelas alunas do Curso de Costura do Instituto ITI, que tem sede na cidade de Itabira, em Minas Gerais. Os acessórios são feitos em tecido e seguem as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo compostas de duas camadas de tecido e uma camada de polipropileno.

A campanha não tem limite de doação por pessoa, ou seja, cada doador pode entregar quantos quilos de alimento quiser, recebendo a quantidade de kits correspondente. Os alimentos doados serão utilizados dentro do próprio Hospital Maria Lucinda.

“O Instituto ITI produziu as máscaras e fez a doação para o Transforma Recife, que distribuiu entre organizações sociais cadastradas no projeto. Essa parceria é uma forma de ajudar as instituições parceiras e ainda colaborar com a prevenção à Covid-19”, disse Renata Costa, secretária da Sociedade dos Amigos do Hospital Maria Lucinda (SAHIMA).

Os doadores interessados devem comparecer ao Hospital Maria Lucinda, na Av. Parnamirim, 95, no bairro do Parnamirim, no Recife, de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. As doações devem ser feitas diretamente na SAHIMA, localizada dentro do hospital. Para mais informações, ligue (81) 3267-4277.

Página 1 de 1312345...10...Última »