UPAS Nova Descoberta e Caxangá adotam medidas para atender crescente demanda de pacientes com síndrome respiratória aguda grave

Em Pernambuco, o número de casos da síndrome respiratória aguda grave (SRAG) tem crescido nas últimas semanas. Muitos desses pacientes têm procurado atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do estado, entre elas, as UPAs Nova Descoberta e Caxangá, que são administradas pela Fundação Manoel da Silva Almeida/Hospital Maria Lucinda.
O coordenador Administrativo e Financeiro da UPA Nova Descoberta, Júnior Passavante, explica que o número de atendimento de pacientes com sintomas gripais e queixa respiratória praticamente dobrou nessas duas últimas semanas. “Em novembro, a Unidade atendeu 1.526 pessoas entre adultos e crianças. Já até o dia 29 de dezembro, atendemos 4.558 pacientes com sintomas da síndrome respiratória aguda grave, asma, tosse ou insuficiência respiratória”, afirmou.
Na UPA Caxangá, o cenário é o mesmo. A diretora-médica da UPA, Audrey Vasconcelos, ressalta que, nas duas últimas semanas, houve um aumento de 208% no número de pacientes com sintomas dessa síndrome. “Ao todo, no mês de dezembro, atendemos 4.438 pacientes com sintomas gripais”, destacou a gestora, lembrando que: o atendimento na UPA vem cumprindo à risca as normas de classificação de risco e, ainda que requeira maiores cuidados devido ao isolamento social e aos procedimentos em relação à Covid-19, tem atendido a todos que chegam à Unidade.
Em decorrência desse aumento expressivo, essas unidades de saúde vêm adotando novas medidas para oferecer um atendimento ainda mais humanizado a seus pacientes. “Para agilizar o atendimento a esses usuários, estamos contratando novos profissionais, como médicos, assistentes sociais, enfermeiros, técnicos em enfermagem, recepcionistas e vigilantes. Além disso, instalamos toldos e colocamos cadeiras na parte externa da unidade para acomodar melhor os pacientes, enquanto eles esperam o atendimento”, garante Júnior Passavante.
Sobre as medidas tomadas na UPA Caxangá para oferecer um melhor atendimento a esses usuários, Audrey ressalta que a Unidade aumentou o seu quadro de funcionários médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistente social, recepcionistas, porteiros e vigilantes, além de colocação de toldos e cadeiras na área externa para melhor acomodação dos usuários. Além dessas medidas, Audrey ressalta que aumentou o número de leitos e equipamentos para pacientes críticos. “Estamos também realizando teste de antígeno para Covid-19 e dispomos do tratamento para os casos de risco suspeitos de influenza”, finalizou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *