XXI Encontro de Pacientes Especiais do Maria Lucinda reúne histórias de superação

Momentos de reflexão, esperança e acolhimento, num espaço repleto de histórias de superação. Assim são os Encontros de Pacientes Especiais do Hospital Maria Lucinda, que chega à 21ª edição, realizada no Colégio Virgem Poderosa, sábado, 24 de novembro. O encontro reuniu, na sua maioria, portadores de doenças congênitas, como extrofia de bexiga e mielomeningocele, entre outras.

A mesa de abertura foi composta pelo superintendente-Geral do hospital e coordenador do encontro, o médico urologista Luiz Alberto de Araújo; pela presidente da Sahima, Irene Almeida; pela irmã Fabíola Furtado, diretora Financeira; pela médica anestesista Givanete Almeida; pelos palestrantes,  o pediatra Marcelo Soares Kerstenetzky, coordenador técnico do Serviço de Referência em Doenças Raras (Rarus) e a ginecologista Marieta Galindo, do Hospital Regional de Palmares.

Fátima Santana, assistente social, fez a abertura agradecendo a presença de todos e conduziu uma bela homenagem para D. Irene Almeida, pelos seus 90 anos de vida. “Dona Irene é um exemplo de saúde, disposição, perseverança e trabalho. À frente da Sahima como presidente, desde 2012, comparece diariamente”, ressaltou Fátima.

Emocionada, D. Irene Almeida agradeceu e fez questão de transferir a homenagem aos médicos, irmãs de caridade, funcionários, profissionais de saúde que fazem parte da família Maria Lucinda, além dos pacientes e familiares. “Vocês, sim, merecem ser homenageados. Pelo trabalho de amor e dedicação; e aos pacientes, por acreditarem no nosso trabalho e participarem anualmente dos encontros. Me sinto gratificada por fazer parte dessas iniciativas”, disse.

Exemplo – “Tudo na vida tem uma origem. E a origem está no exemplo”, ressaltou o médico Luiz Alberto de Araújo, coordenador dos encontros. De acordo com ele, o exemplo é o maior ensinamento que existe dentro das pessoas. “O exemplo não se ensina, é demonstrado através das atitudes. Aqui mesmo no hospital destaco os exemplos deixados pelo médico Frederico Cavalheira, pelas irmãs Rocha, Almeida, e Antoné, entre outras”, finalizou.

Palestras – O ciclo de palestra começou com a tocoginecologista Marieta Galindo, que falou sobre o Aparelho reprodutor feminino X Má formação aparelho urinário; o urologista Luiz Alberto Araújo apresentou o tema Aparelho reprodutor masculino X Má formação aparelho urinário; e o pediatra Marcelo Soares Kerstenetzky falou sobre as Doenças Raras.

 

Lições de vida – histórias de superação

Portador de extrofia de bexiga desde que nasceu, o comerciante Edmilson Luiz da Silva, 37 anos, casado e pai de duas meninas, chegou ao Maria Lucinda com 24 horas de nascido e foi submetido a 23 cirurgias. Hoje, ele se diz um homem grato, feliz e realizado. Edmilson foi um dos pacientes que participaram do XXI Encontro de Pacientes Especiais e contou um pouco da sua trajetória ao longo desses anos. Acompanhe alguns depoimentos que são verdadeiras lições de vida:

 

Consegui superar todos os meus limites – “Meu nome é Edmilson, sou de Ouricuri e cheguei aqui, no Maria Lucinda, com apenas 24 horas de nascido. Fui acolhido nesta casa e hoje me encontro com 37 anos, realizado, casado e pai de duas filhas.  Nasci com extrofia de bexiga, já passei por 23 cirurgias e hoje agradeço a Dr. Luiz Alberto, Dr. Salvador Vilar e toda a equipe deste hospital que deram o suporte necessário para que eu tivesse uma melhor qualidade de vida, principalmente, na minha adolescência. Hoje, faço questão de prestigiar este evento com minha família, nunca faltei a uma edição. Posso afirmar que sou feliz, consegui superar todos os meus limites, meus medos, me sinto normal; um cidadão comum dentro da sociedade.” (Edmilson Luiz da Silva, 37 anos – comerciante).

Vivo muito bem, como qualquer outra pessoa – “Eu perdi meus dois rins com apenas seis anos de idade. A partir daí, passei a fazer hemodiálise, durante 10 anos até conseguir fazer um transplante renal. E, graças a Deus, não tive rejeição. Mas para isso, eu tive que fazer a ampliação da bexiga para poder receber o rim. Hoje, tenho minhas dificuldades, minhas limitações, mas vivo muito bem, como qualquer outra pessoa normal.” (Alice Medeiros de Souza, 28 – estudante de Nutrição).

Sempre corri atrás dos meus sonhos – “Minha história começou quando eu ainda era muito pequeno, e cheguei aqui vindo do Maranhão, já que meu estado não tinha muito recurso e os médicos não conheciam o que era Mielomeningocele. Fui atendido primeiramente no Hospital Barão de Lucena, onde conheci Dr. Salvador Vilar, que me encaminhou para o Hospital Maria Lucinda. Em 1994, fiz minha primeira cirurgia e de lá pra cá, só tenho evoluído. Tenho muito a agradecer ao Dr. Salvador Vilar e ao Dr. Luiz Alberto, que sempre foi um segundo pai para mim. Nunca deixei que a minha deficiência atrapalhasse meus planos. Sempre corri atrás dos meus sonhos. Procurei estudar, me formei em técnico em computação, ter minha casa, fazer amigos e ser feliz.” (Francisco Marinho de Andrade, 38 anos – técnico em computação).

Hoje me sinto feliz e realizada – “Eu nasci com bexiga exposta e neurogênica, além de extrofia de bexiga, que me fazia ter uma incontinência urinaria contínua.  Cheguei aqui com três meses de vida para fazer a minha primeira cirurgia. Hoje com 32 anos, já fiz10 cirurgias, não tenho mais vazamento por conta da reconstituição de bexiga.  Não sofro mais com esse problema, embora, tenha sofrido muito bullying e constrangimento, principalmente, na adolescência. Hoje vivo uma vida normal, consigo interagir com as pessoas e me sinto feliz e realizada.” (Sivoneide Correia da Silva, 32 anos – professora).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *